O que eu aprendi nas Relações Internacionais e apliquei ao Direito?

O difícil para mim foi o retorno ao curso de Direito, após quatro anos de estudos de Relações Internacionais. Explico. Era o ano de 2002. Eu trabalhava numa multinacional do setor de logística e já era bacharel em Relações Internacionais. Estava com o canudo na mão, todo feliz e achando que nunca voltaria a estudar. Estava enganado. Fui convencido pelos meus pais a concluir o que eu ainda não havia concluído na minha vida educacional: acabar a faculdade de Direito.

Posso dizer que nas Relações Internacionais eu aprendi muito sobre meios alternativos de solução de controvérsias por meio da Diplomacia e do Direito Internacional. Tudo bem que a guerra também é um direito de uma determinada nação se defender belicamente contra uma lesão ou ameaça de lesão de outra nação. Mas a guerra deve ser evitada ao máximo.

E lá estava eu nas primeiras aulas do meu recomeço no Direito. No tempo que eu fiquei fora do meio jurídico eu aprendi que sempre havia uma alternativa para um impasse, ou seja, nunca haveria somente uma saída para um determinado problema. Também, na multinacional que eu trabalhava há 4 anos eu percebia que todos aqueles funcionários tinham um código comum, talvez uma ética eficaz entre eles. Eu sempre lembro daquilo tudo como um ” novo mundão”.

Digo a você que, desde o meu retorno aos estudos do Direito até hoje, muitas situações jurídicas complexas envolvendo família, patrimônio, liberdade, eu só tive sucesso e consegui superar graças aos princípios que eu pude aprender enquanto aluno de Relações Internacionais. Por isso, eu considero Direito e Relações Internacionais matérias que se complementam enquanto ciências humanas de primeiro nível.

Espero que o conteúdo deste post tenha edificado a tua vida.